Thumbnail

Origens, onde está a fonte de nossos sintomas?

 

Por muitos anos, acabamos perdendo o entendimento de que deveríamos buscar os por quês. O porquê de eu ter uma vida sofrida, o porquê de ter tantas dores, de chorar tanto, de tanta ansiedade, de tanta raiva, de tanto incômodo no estômago ou intestino, o porquê de não conseguir engravidar, o porquê de sempre ter relacionamentos problemáticos, de tentar e tentar e não conseguir passar no vestibular. Simplesmente nos habituamos a deixar a vida nos levar, pensamos: “se tenho estes sintomas e reações, é porque devo ser assim”, ou simplesmente tentamos esconder os sintomas embaixo do tapete, com medicamentos, com bebida ou drogas. 

São muitas as pessoas que já ouvi me dizerem que em momentos, preferem beber uma cerveja, para se sentirem mais relaxadas para poderem conversar com os outros, ou para criar coragem para ficar com alguém. Eu fui um destes, que na faculdade, para me entrosar, acabava tomando uma cerveja, pois assim a timidez ficava um pouco de lado. Há aqueles também, que bebem, simplesmente para esquecer o dia que passou. 

Há pessoas que se acomodam com a vida como está, achando que não são capazes de nada, então é melhor ficarem como estão, pois assim não precisam fazer esforços. Se tem dores, a lei do mínimo esforço é resolver esta dor com medicamento, assim os sintomas passam e não lhes incomodam mais.

O grande engano de muitas pessoas é que se não olharem para suas barreiras, seus bloqueios, seus sentimento e dores, se não pararem para entender e compreender o motivo de eles estarem ali, eles tendem a permanecer por muito mais tempo do que gostariam. A tentativa de resolução, jogando o problema para debaixo do tapete, acaba por aumentar ainda mais o problema, a longo prazo. 

Sempre quando temos dores, angústias, disfunções, elas vêm de uma causa, elas apresentam uma origem, mas quando fechamos os olhos para a origem, o sintoma pode tender a permanecer. Nos últimos anos, tem surgido uma grande vertente de terapias que buscam cada vez mais olhar para a origem dos nossos sintomas, saber os motivos de eles estarem presentes, para que entendendo a causa a fundo, possamos nos corrigir e melhorar dos sintomas por definitivo. 

Muitas vezes, nossos sintomas vêm de reações biológicas, tendo em vista a evolução das espécies. Há milhares de anos, os animais vêm evoluindo, trazendo padrões cada vez mais adaptados, com intuito de sobrevivência. Não podemos deixar de lado estas informações, pois se evoluímos deles, tendemos a ter em alguns momentos reações adaptadas que na evolução, foram necessárias, para conseguir ultrapassar as dificuldades e permanecer vivo. 

Nós trouxemos padrões com necessidades vitais de sobrevivência, com o intuito de evitar passar fome, sede, potencializar a chance de sobrevivência estando sozinho, formas instintivas para reagir a situações que nos pegam de surpresa, formas de lidar com as impotências e com os ataques, e uma gama de atitudes quando há ameaças sobre o nosso território. Basta vivermos uma situação perante a um destes conflitos, que inicia, automaticamente, um programa especial de sobrevivência, já instalado dentro de nós, não controlado pelo consciente. Neste momento, surge o trabalho de uma tríade de funcionamento: cérebro-órgão-psique. 

A nossa emoção do momento do ocorrido é gravada, causando uma reação instantânea na forma de lidarmos com as situações, o órgão atingido, devido a percepção da situação vivida, começa a alterar gerando uma proliferação de células, ou uma necrose tecidual, dependendo de qual camada embriológica que este tecido se originou, e no cérebro, a região responsável pelo controle de funcionamento daquele órgão, entra em alteração ao mesmo tempo que o órgão. E todo este padrão de alteração do funcionamento, só é solucionado, quando a pessoa sai do processo de estresse, ou do que faz ela retornar ao estresse, sendo que esta resolução pode ocorrer por acaso, simplesmente não convivendo mais com a situação, ou quando há o entendimento da causa e se consegue enfim, mudar a forma de ver a situação estressante, tornando ela não mais incômoda. 

Um exemplo, é aquela pessoa que trabalha com um chefe autoritário, que a desvaloriza, altera a voz, confronta a todo momento, e isto causa na pessoa uma gastrite. A pessoa pode resolver esta situação simplesmente saindo daquele trabalho, isto pode ser uma reação instintiva, de sair do perigo, mas ela pode também não dar importância, ou tratar aquela emoção, para que possa lidar com a situação, sem que a afete, talvez, entendendo que as irritabilidades do chefe, são pela vida que ele leva, que está insatisfeito, e que os problemas que ele joga para cima de você, não têm relação direta contigo, que você pode sim estar satisfeita consigo mesmo, pois sabe que está dando o seu melhor. 

Quando tomamos a autoridade sobre nossas vidas, podemos enfim, não sermos afetados pelo que ocorre a nossa volta. 

Quando conhecemos a origem de nossos sintomas, conseguimos compreender o motivo deles estarem ali, a vida se torna mais leve, e assim, podemos usufruir de toda a beleza que a vida nos dá. 

Que tal você aprender sobre as origens de seus sintomas? 

Fique ligado nos artigos e vídeos para entender cada vez mais sobre você, e poder ir além no controle de sua vida. 

 

Dr. Ivan Bonaldo

Crefito 8/99696-F

Idealizador do Congresso Internacional das Leis Biológicas

htttp://www.leisbiologicas.com