Thumbnail

De onde vem esta dor?

Durante nossa vida passamos por vários episódios de dores, das mais diferentes possíveis, desde aquelas fisgadas que logo passam e não voltam mais, até dores crônicas que insistem em permanecer conosco por anos e anos. Somos seres fortes muitas vezes perante as situações, e ao mesmo tempo tão frágeis em outros momentos. Somos suscetíveis ao ambiente em que vivemos, enquanto uma queda pode nos quebrar inteiros, outras pessoas podem sofrer acidentes gravíssimos saindo ilesos. Algumas pessoas passam por estresse e desenvolvem terríveis problemas de saúde, tais como a fibromialgia, ou a enxaqueca, enquanto outras parecem imunes aos acontecimentos externos.

Cada pessoa é diferente de outra não somente fisicamente, somos diferentes em nosso interior tendo uma informação genética diferenciada das outras pessoas, devido às experiências vividas pelos nossos antepassados. Cada família teve uma história diferente de mudanças de país, fugas de guerras, decepções familiares, injustiças vividas, mortes trágicas, entre outras. Todas estas informações estão gravadas em nosso DNA, como um reconhecimento de perigos já vividos pelos nossos antepassados, fazendo com que nosso organismo crie uma tentativa de proteção caso o perigo possa ocorrer em nossa vida. Estas informações possibilitam nossa evolução, mas ao mesmo tempo deixam marcas (cicatrizes patológicas), que fazem com que nosso organismo nos dê sinais, como forma de aviso de um possível perigo. Mas não é por que aconteceu algo, que irá acontecer novamente, mas o subconsciente tende a manter o alerta, até que consigamos corrigi-lo.

Os sinais podem ser expressos através de sintomas ou disfunções, como uma forma de nosso organismo nos avisar de que algo de errado esta acontecendo, ou que devemos lidar de forma diferente com relação a algumas situações de nosso cotidiano, mas como geralmente não entendemos as mensagens do nosso corpo, tendemos a permanecer por longo tempo com as alterações.

Quando tentamos trancar alguém num porão, contra a vontade, ele vai gritar, bater, fazer barulho até ser percebido, nossos sintomas são da mesma forma, enquanto tentamos esconder nossos sentimentos, nos escondendo atrás de uma máscara, representando o que não somos, os sintomas baterão, gritarão e doerão até entendermos que podemos ser diferentes e vivermos de uma forma completa e feliz, sem nos sabotarmos.

Com o surgimento de novos métodos e teorias no campo da saúde pode-se ter um entendimento cada vez maior quanto às mensagens que nosso organismo tem nos mandado. Podemos assim entender que nossos sintomas não são por acaso.

A percepção da relação de situações de estresse no vínculo com dores físicas têm sido cada vez mais estudada, e relacionada pelas pessoas. Muitos estão conseguindo relacionar suas dores, com relação a situações específicas vividas. E quando o sintoma está relacionado a situações de estresse, há uma dificuldade das pessoas obterem melhoras consistentes se não tratarem a real causa da disfunção, que neste caso seria a situação emocional que elas estão vivendo. Entretanto, se a pessoa não tem conhecimento consciente do mal que ela esta passando, ocorre a tendência do sintoma continuar, ou ficar reaparecendo. Como no caso das dores de cabeça, que vão e voltam, sem que ocorra a resolução completa, as dores nas costas que após fortalecimento aliviam, mas tem a tendência de retornarem, ou casos até mesmo de pessoas que chegam a passar por cirurgia no joelho e voltam a sentir dores após.

Geralmente quando tentamos tratar um sintoma de forma generalizada ocorre como em um incêndio em uma loja de eletrônicos, quando os bombeiros chegam, jogam a água para apagar o fogo, mas acabam molhando todos os eletrônicos que não estavam danificados pelo fogo. Ou seja, acabamos comprometendo outras regiões de nosso organismo, que não estavam comprometidas. Por isto, temos que buscar diretamente a causa de nossos sintomas, para que para corrigir um sintoma, não apareçam outros.

Através do método da Microfisioterapia, conseguimos encontrar as relações possíveis para alguns casos de dores e disfunções, tendo a origem desde situações físicas, tóxicas ou emocionais. Cada sintoma que temos tem uma relação específica, cada sintoma não é gerado por um estresse generalizado, mas sim por um estresse específico, que está relacionado a aquela alteração ou região do corpo. Situações de perda geram um tipo de sintoma, que será diferente de uma situação de raiva, que será diferente de um sintoma de medo, que será ressentido de forma diferente por cada pessoa também. Para isto, temos de ser precisos na relação específica de cada sintoma, para que desta forma o sintoma seja eliminado de forma rápida e eficaz, sem nenhum agravante.

Dr. Ivan Bonaldo

Crefito 8/99696-F

Fisioterapeuta Especialista em Terapia Manual, Microfisioterapia e Leitura Biológica.

(46) 3025 5399 www.ativaterapia.com.br