Thumbnail

Ciclos de vida, nossa história contada em ondas

 

 

Nossa vida esta repleta de ciclos, há o ciclo circadiano, que engloba o dia e noite, as estações do ano, que compreendem ao inverno, primavera, verão e outono, ciclos menstruais para as mulheres, ou os homens percebem como ciclo da TPM, que todo mês irá voltar, ciclos de empregos, ciclos no relacionamento. 

Conseguimos muito bem perceber alguns ciclos, como o dia ensolarado, que é seguido pela noite, ou o frio do inverno, que é seguido pelas flores da primavera e o calor do verão. Entretanto, há outros ciclos em nossas vidas que muitas vezes não paramos para perceber. Encontramos pessoas que ficam doentes sempre em uma mesma época do ano, ou ficam tristes em uma época do mês, ou que ficam mais irritadas em um dia específico da semana. Ocorrem também de pessoas que após um período específico de trabalho ou de namoro, começam a se comportar de maneira diferente, e acabam largando o trabalho, ou terminando o relacionamento, muitas vezes sem motivo aparente. 

Nosso cérebro está ligado aos ciclos de nossas vidas, e nossas memórias, sejam elas positivas ou negativas, podem ser utilizadas por ele para buscar um bem-estar ou fugir de uma possível nova frustração. Quem vive uma situação de estresse intenso, como uma perda no Natal, pode não gostar muito daquela data nos natais futuros, ou mesmo apresentar alguns sintomas físicos nestas datas, sem mesmo relacionar o sintoma com a perda anterior. Há pessoas que passam por uma traição ou uma ruptura dolorosa de um relacionamento no quinto mês de namoro, que em novos relacionamentos sentimentais, quando chega próximo ao quinto mês, começam a ficar mais irritados, ou angustiados, como se tivessem que fugir daquele relacionamento. Já ouvi relatos de pessoas que na infância viam o pai chegar alcoolizado em casa no entardecer do domingo, e expulsar todos de casa, que hoje adultos, quando chega o domingo a tarde, começam a ficar angustiados, sem sossego em casa. 

Outras histórias também podem ser observadas quanto às horas. Já tive pacientes que após meia hora andando de carro, começavam a passar mal e desencadear náuseas, que remetiam a um acidente anterior ocorrido após meia hora de viagem. Ou aquelas pessoas que costumam acordar sempre no mesmo horário pela madrugada, que pode estar relacionado a uma situação de perigo vivida naquele exato momento, onde o cérebro tem que reativar para permanecer em alerta, para evitar o perigo novamente. 

Muitas vezes não entendemos nosso corpo, mas ele tem uma lógica para cada sintoma que nos provoca, tudo há um sentido, e este sentido está vinculado a nossa sobrevivência e para que possamos evitar passar novamente por uma frustração. Mas a partir do momento que corrigimos a memória do conflito, mostramos ao corpo, que não é porque passamos por uma frustração que não soubemos lidar antes, que iremos passar novamente por ela e tomamos consciência do que nos faz mal, tendemos a melhorar dos nossos sintomas e permitimos que nossos ciclos de vida sejam mais amenos e suaves, estando receptivos a uma vida saudável e em equilíbrio. 

 

Dr. Ivan Bonaldo

Crefito 8/99696-F

Fisioterapeuta Especialista em Microfisioterapia e Nova Medicina Germânica

www.ativaterapias.com.br