Thumbnail

Ao persistir o estresse, resolva o conflito

 

 

As situações de estresse são vividas de formas diferentes pelos seres humanos e pelos animais. Quando um animal, por exemplo, uma zebra, é perseguida por um leão, ela terá que aumentar seus estímulos excitatórios, acelerando a respiração e os batimentos cardíacos, para aumentar a captação e distribuição de oxigênio e de nutrientes pelo corpo. Assim, os batimentos e a oxigenação chegam aos órgãos e músculos que necessitam desses para ter potência na ação de fugir. A tireóide aumenta a produção de hormônios, para acelerar o metabolismo, os olhos tendem a ficar mais rígidos, para poder observar os obstáculos a frente, entre outros órgãos. Mas assim que a zebra consegue despistar o leão, e pode verificar que o ambiente está livre da ameaça, ela sai do estresse e volta às suas atividades normalmente, com seus órgãos voltando ao funcionamento normal.

Já no ser humano, quando há um assalto, ou uma perseguição, por exemplo, após o ocorrido muitas vezes tende a permanecer e levar o estresse consigo por muito tempo, continuando com medo de que aquilo possa ocorrer novamente, ou ficando com raiva pelo ocorrido, ou ainda, querendo se vingar. Isto faz com que aqueles órgãos que entraram em ativação na hora do incidente permaneçam alterados, até o momento que se resolva definitivamente a situação. Por isto que muitas pessoas permanecem com uma gastrite ou azia após um estresse, pois persistem remoendo ou contrariadas pelo evento, ou ainda permanecem com alterações na pressão arterial, tireóide, colesterol, vesícula, dores de cabeça, pois ao mínimo sinal de que irá ocorrer novamente o processo, ou relembre dele, provoca uma hiperestimulação ou hipoestimulação no órgão acometido. 

Quando conseguimos passar pelas situações estressantes, sem ficar remoendo, guardando magoas, mas sim perdoando aos outros ou se perdoando pelo ocorrido, aceitando o que aconteceu, não guardando medos da situação, tendemos a ter uma vida mais equilibrada e mais saudável, sem a necessidade que nossos órgãos e tecidos permaneçam em disfunção por muito tempo. Ninguém está livre de situações estressantes, mas a forma com que lidamos com elas é que ira nos proporcionar bem-estar. 

 

Dr. Ivan Bonaldo

Crefito 8/99696-F

Fisioterapeuta especialista em Microfisioterapia e Nova Medicina Germânica