Thumbnail

Um impulso de proteção

 

 

Geralmente todos nós podemos reagir de duas formas perante as situações de nosso dia a dia, de forma consciente e racional, ou de forma inconsciente e por impulso. Sendo este último o mais frequente, pois apresenta uma velocidade de reação superior ao consciente. Nosso cérebro busca no seu conteúdo de informações, tudo que já passou em nossa vida parecido à situação que esta sendo vivida, e tenta encontrar a melhor solução possível, para que não se repita o estresse anterior, por exemplo, se passamos por uma situação de perigo relacionado a um acidente, cada vez que entramos novamente em um carro, o cérebro reativa a lembrança do perigo e provoca um medo inconsciente ou uma preocupação antecipativa, para evitar repetir o processo, ou se em algum momento fomos atacados verbalmente no trabalho, tendemos a permanecer mais armados, irritados, prontos para atacar caso sejamos novamente ameaçados. 

O medo, a ansiedade, a irritabilidade, a tristeza, entre outros sentimentos, muitas vezes são reações automáticas de defesa, perante novos obstáculos possíveis em nossas vidas. Quando os traumas de nossos passados permanecem mal resolvidos, tendemos a criar proteções inconscientes para evitar sofrermos novamente.

O medo representa uma forma de fugirmos de um perigo, já que não enfrentamos algo, não temos a chance de nos frustrar. Se um dia passamos por perigo de nos afogar, se não entrarmos mais na água, não viveremos mais o perigo. 

A irritabilidade faz com que fiquemos sempre armados a novos estresses, quanto mais guardamos as magoas, mais estaremos prontos para explodir em uma nova situação, fazendo com que não tenhamos que engolir mais sapos da próxima vez. 

A ansiedade permite acelerarmos nossas vidas e anteciparmos os perigos que estão por vir, assim estaremos preparados com rotas de fuga ou ataque para o que já imaginamos que possa acontecer, e não seremos pegos de surpresa novamente, mas sempre ocorrem coisas inesperadas, fazendo com que fiquemos presos a um ciclo vicioso.

A tristeza muitas vezes é um estado de Stand by, ou seja, é um momento de pararmos e refletirmos, um ganho de tempo, para repor a energia, lidar com o que passou, para depois podermos retornar as nossas atividades, entretanto, nossa vida não nos permite mais este tempo de parada, fazendo com que este tempo necessário de descanso, não seja respeitado. 

Muitas vezes sabemos que não precisávamos nos irritar tanto naquele momento, ou ficar com medo, preocupado ou triste, porém reagimos por impulso baseado nas situações já vividas anteriormente em nossas vidas, fazendo com que percamos o controle sobre nossas reações, por isto, quanto mais estivermos de bem com nosso passado, menos oscilações de humor apresentaremos e mais equilibrados permaneceremos para lidar com as pessoas e as situações de nossas vidas. 

 

Dr. Ivan Bonaldo

Crefito 8/99696-F

Fisioterapeuta Especialista em Microfisioterapia e Nova Medicina Germânica

 

Ativa Terapias