Thumbnail

A NOVA MEDICINA ALEMÃ Conheça a primeira, das cinco leis biológicas

 

 

 

Descobertas do médico alemão Dr. Ryke Geer Hamer, são aplicadas pelo dr. Ivan Bonaldo, em Pato Branco

  

 

A Nova Medicina Alemã (GNM) compreende as descobertas do médico alemão Dr. Ryke Geer Hamer. O Dr. Hamer descobriu as CINCO LEIS BIOLÓGICAS que explicam as causas, o desenvolvimento e a cura natural das “doenças” com base em princípios biológicos naturais.

 

De acordo com tais leis biológicas, as chamadas “doenças” não são, como geralmente se supõe, resultantes de disfunção ou de alguma malignidade do organismo; ao contrário, elas são consideradas “PROGRAMAS ESPECIAIS COM SIGNIFICADO BIOLÓGICO” (SBS), criados para ajudar o indivíduo durante um período de aflição emocional e psicológica.

 

Todas as teorias médicas, convencionais ou “alternativas”, do passado ou atuais, baseiam-se no conceito de que as doenças são “disfunções” do organismo. As descobertas do Dr. Hamer provam que nada na Natureza é “doentio”, senão sempre significativo em termos biológicos.

 

As Cinco Leis Biológicas que constituem esta verdadeira “Nova Medicina” ancoram-se firmemente nas ciências naturais, estando, ademais, em perfeita harmonia com leis espirituais. Em razão disso, os espanhóis chamam a Nova Medicina Alemã (GNM) de “Medicina Sagrada”.

 

  

AS CINCO LEIS BIOLÓGICAS

 

A PRIMEIRA LEI BIOLÓGICA

  

O primeiro critério: “choque conflituoso”

 

Todo “Programa Especial com Significado Biológico” (SBS) tem sua origem numa “Síndrome de Dirk Hamer” (DHS), que é um choque conflituoso inesperado, muito agudo, isolador, que ocorre simultaneamente na PSIQUE, no CÉREBRO e no ÓRGÃO correspondente.

 

Na terminologia da Nova Medicina Alemã, um “choque conflituoso”, a saber, uma Síndrome de Dirk Hamer (DHS), refere-se a uma situação emocional aflitiva que não pudemos prever, e para a qual não estávamos preparados. A DHS pode ser iniciada, por exemplo, por uma separação inesperada ou perda de um ente querido, uma raiva ou aflição inesperada, ou pelo choque abrupto de um diagnóstico ou prognóstico. Uma DHS difere de um “problema” psicológico, ou de uma situação de estresse diário, pois o choque conflituoso envolve não somente a psique, mas também o cérebro e o corpo.

 

Do ponto de vista biológico, o “inesperado” significa que não houve preparação, e que a situação pode ser prejudicial para aquele que foi pego de surpresa.

 

Para ajudar o indivíduo durante essa crise imprevista, entra em ação, instantaneamente, um Programa Especial com Significado Biológico (SBS), criado especificamente para tal situação.

 

Uma vez que tais programas de sobrevivência são inerentes a todos os organismos, seres humanos inclusive, a Nova Medicina Alemã (GNM) refere-se a eles como conflitos biológicos, em vez de conflitos psicológicos.

 

Os animais experimentam esses conflitos biológicos em termos reais; por exemplo, quando perdem o ninho ou o território, quando são separados do parceiro (casal) ou da cria, quando atacados por adversários, quando sofrem ameaça de inanição, ou sofrem o terror da morte iminente.

  

 

DOR PELA MORTE DO COMPANHEIRO

 

Por sermos capazes de interagir com o mundo em termos tanto simbólicos quanto reais, podemos sofrer esses conflitos também num sentido simbólico. Por exemplo, um “conflito de perda territorial” pode traduzir a perda de uma moradia ou de um emprego; um "conflito de ataque" pode ser experimentado por meio de um comentário ofensivo;

 

um "conflito de abandono" pode ser causado pelo sentir-se isolado ou excluído do "grupo"; um “conflito de medo de morrer” pode ser desencadeado pelo choque de um diagnóstico percebido como sentença de morte.

 

NOTA: A desnutrição, o envenenamento e os ferimentos podem causar disfunção em algum órgão, sem a presença de uma Síndrome de Dirk Hamer (DHS)

 

Eis o que acontece na psique, no cérebro e no órgão correspondente, no instante em que ocorre uma DHS:

 

NÍVEL DA PSIQUE: o indivíduo fica emocional e mentalmente aflito.

 

NÍVEL CEREBRAL: No momento em que ocorre a DHS, o choque conflituoso afeta uma área do cérebro muito específica e predeterminada. Numa topografia computadorizada do cérebro, pode-se visualizar o impacto do choque como um grupo de anéis concêntricos nítidos.

 

Na Nova Medicina Alemã (GNM), esses focos concêntricos são chamados de focos de Hamer, ou HH (do alemão: Hamerscher Herd). O termo foi originalmente criado por opositores do Dr. Hamer, que, jocosamente, chamavam essas estruturas de “Focos duvidosos de Hamer".

 

Antes de o Dr. Hamer identificar essas estruturas anelares no cérebro, os radiologistas consideravam nas coisas produzidas por uma falha nos aparelhos. Em 1989, porém, o fabricante dos aparelhos de tomografia computadorizada (Siemens) garantiu que esses anéis em forma de “alvo” não podiam ser resultantes de defeito nos aparelhos porque, ainda que a tomografia fosse repetida de diversos ângulos, a mesma configuração sempre aparecia no mesmo lugar. O mesmo tipo de conflito afeta sempre o mesmo ponto do cérebro.

 

A localização exata do foco de Hamer (HH) é determinada pela natureza do conflito. Por exemplo, um “conflito motor” percebido como “não ser capaz de escapar” ou como “sentir-se empacado”, afeta o cérebro no córtex motor, que rege os movimentos musculares.

 

O tamanho do foco de Hamer (HH) é determinado pela intensidade do conflito.

 

Podemos imaginar cada local do cérebro como um grupo de neurônios que funciona como receptor e como transmissor.

 

NÍVEL DE ÓRGÃO: No momento em que as células do cérebro recebem uma DHS, o choque conflituoso é imediatamente comunicado ao órgão correspondente, que ativa instantaneamente um “Programa Especial” (SBS) que estava de prontidão exatamente para tal conflito. O propósito biológico de cada SBS é melhorar a função do órgão relacionado com o conflito, para que o indivíduo fique em melhores condições de lidar com ele e, eventualmente, resolvê-lo.

 

Tanto o conflito biológico como o significado biológico de cada Programa Especial (SBS) estão sempre relacionados com a função do órgão ou com o tecido do órgão correspondente.

 

Exemplo: Se um macho sofre um “conflito de perda territorial”, o conflito afeta a área do cérebro que controla as artérias coronárias. Nesse momento, o revestimento mucoso das artérias começa a ulcerar (produzindo uma angina de peito). O propósito biológico da perda de tecido (ulceração) é aumentar a luz do vaso coronariano para que possa passar mais sangue por minuto até o coração, coisa que dá ao macho mais energia e vigor em seu esforço para recuperar o território (seu lar ou seu lugar de trabalho) ou estabelecer um novo lar ou um novo local de trabalho.

 

Essa interrelação entre a psique, o cérebro e o corpo existe há milhões de anos.

 

Originalmente, esses programas inatos de respostas biológicas eram dirigidos pelos “cérebros dos órgãos” (todas as plantas ainda têm tal cérebro de órgão). Com a crescente complexidade das formas de vida, desenvolveu-se um “cérebro de cabeça”, a partir do qual cada Programa Especial (SBS) é agora coordenado e controlado. Essa transferência biológica ao cérebro de cabeça explica por que os centros de controle cerebrais de cada órgão estão dispostos, no cérebro, na mesma ordem que os órgãos no corpo.

 

Exemplo: Os pontos no cérebro que controlam as estruturas do esqueleto (ossos) e dos músculos estriados encontram-se dispostos de maneiras distintas na medula cerebral (a parte interior do cérebro novo).

 

 

 

O diagrama mostra que os centros de controle correspondentes à calota (crânio), aos braços, aos ombros, vértebras (coluna), pélvis, joelhos e pés, estão todos dispostos de forma ordenada, praticamente da cabeça ao hálux (dedão do pé) como um embrião deitado de costas.

 

O tema do conflito biológico ligado aos ossos e aos tecidos musculares são “conflitos de autodepreciação” (relacionados à perda de autoestima, a sentir-se “inútil” ou “sem valor”).

 

Como há correlação cruzada entre o cérebro e o corpo, os pontos de controle situados no hemisfério direito controlam ossos e músculos do lado esquerdo do corpo, enquanto os pontos de controle situados no hemisfério esquerdo controlam ossos e músculos do lado direito do corpo.

 

Esta notável TC de órgão, mostrando um foco de Hamer (HH) ativo na área da 4ª vértebra lombar (“conflito de autodepreciação” ativo), torna claramente visível a comunicação entre o cérebro e um órgão do corpo.

  

O Segundo Critério: conflito biológico

O conteúdo do conflito determina a localização dos HH no cérebro, e exatamente onde, no órgão, o Programa Especial (SBS) correspondente será acionado.

 

O conteúdo do conflito é determinado no momento preciso em que ocorre a Síndrome de Dirk Hamer (DHS). Quando o conflito ocorre, nosso subconsciente associa ao evento, em fração de segundo, um tema de conflito biológico muito particular. Por exemplo: “perda de território”, “preocupação com o ninho”, “abandonado pelo rebanho”, “separação do companheiro”, “perda de um filho”, “ataque de um adversário”, “ameaça de inanição”, etc.

 

Por exemplo: Se uma mulher se deparar, inesperadamente, com uma separação do marido, isso não significa, necessariamente, que ela sofrerá um “conflito de separação”, em termos biológicos. A DHS pode também ser vivenciada como “conflito de abandono” (afetando os rins), ou como “conflito de autodepreciação” (afetando os ossos, levando a osteoporose), ou como “conflito de perda” (afetando os ovários). Além disso, o que é vivenciado por uma pessoa como "conflito de autodepreciação" pode ser vivenciado de forma diferente por outra pessoa. Para uma terceira pessoa, o mesmo evento pode ser completamente irrelevante.

 

É o nosso sentimento subjetivo por trás do conflito e a nossa percepção individual do conflito que determina qual parte do cérebro receberá o choque e, consequentemente, quais sintomas físicos se manifestarão como resultado do conflito.

 

Uma única Síndrome de Dirk Hamer (DHS) pode afetar mais de uma área do cérebro, resultando em múltiplas “doenças”, tais como cânceres múltiplos, chamados equivocadamente de metástases. Por exemplo: Se um homem perde inesperadamente o seu negócio e o banco toma todos os seus haveres, ele pode desenvolver um câncer de cólon, como resultado de um “conflito de bocado indigesto” (Não consigo digerir essa perda!), um câncer de fígado, como resultado de um “conflito de inanição” (Não sei como vou me sustentar!), e um câncer ósseo, como resultado de um “conflito de autodepreciação” (perda da autoestima). Com a solução dos conflitos, os três cânceres entram em processo de cura ao mesmo tempo.

 

 

O Terceiro Critério: três níveis de um organismo

Todo Programa Especial com Significado Biológico (SBS) executa-se sincronicamente na psique, no cérebro e no órgão correspondente. A psique, o cérebro e o órgão correspondente constituem os três níveis de UM organismo unificado, que sempre trabalha em sincronia.

  

LATERALIDADE BIOLÓGICA

Nossa lateralidade biológica (ser destro ou canhoto) determina qual dos hemisférios cerebrais será impactado pelo conflito e que lado do corpo será afetado. Nossa lateralidade biológica é decidida no momento da primeira divisão celular, após a concepção. A relação entre pessoas destras e pessoas canhotas é de aproximadamente 60:40.

 

A lateralidade biológica pode ser facilmente estabelecida com o teste do aplauso. A mão que estiver por cima é a mão principal e indica se a pessoa é destra ou canhota.

 

A regra da lateralidade: Uma pessoa destra responde a um conflito com mãe ou filho (a), com o lado esquerdo do corpo, e a um conflito com um companheiro(a) [qualquer pessoa, exceto mãe/filho(a)], com o lado direito do corpo. Já em pessoas canhotas, dá-se o contrário.

 

Exemplo: Se uma mulher destra sofre um “conflito de preocupação” com a saúde do filho, ela desenvolverá um câncer glandular na mama esquerda. Por haver uma relação cruzada entre o cérebro e o órgão, o correspondente foco de Hamer (HH) será encontrado, numa tomografia cerebral, no hemisfério direito, naquele ponto do cérebro que controla o tecido glandular da mama esquerda.

 

Se a mulher fosse canhota, o “conflito de preocupação” com o filho(a) iria manifestar-se como câncer na mama direita, e uma tomografia cerebral mostraria o impacto disso (HH) no hemisfério esquerdo, no cerebelo.

 

Estabelecer a lateralidade biológica é da maior importância para identificar a Síndrome de Dirk Hamer (DHS) original.

 

  

Escrito por: Caroline Markolin, Ph.D.

Traduzido do inglês para o português por: Ismar Pereira Filho

Extraído de: www.LearningGNM.com

Termo de Responsabilidade: As informações contidas neste documento não substituem o aconselhamento médico profissional.