Thumbnail

A influência do local que vivemos o estresse

 

Cada situação que vivemos é gravada e armazenada no nosso subconsciente, com todas as informações relacionadas aos cinco sentidos (visão, audição, paladar, olfato e tato), assim como tempo e espaço. Muitos de vocês já devem ter percebido que um cheiro pode relembrar uma pessoa, ou uma situação, ou mesmo um cheiro de uma comida pode dar água na boca, pois seu cérebro relembra do gosto do alimento instantaneamente. Ou se você come algo sem ver, o gosto automaticamente te relembra qual alimento é, ou onde você já comeu aquilo. O timbre de uma voz pode te relembrar uma pessoa, ou uma música pode te relembrar um bom momento de sua vida. Com o espaço é a mesma coisa. 

Alguns lugares podem representar para nós um reviver de uma situação. Por exemplo, um sítio pode trazer a lembrança de bem-estar da infância; a praia pode lhe trazer a memória de bons momentos; uma piscina para algumas pessoas pode trazer lembrança de um perigo de afogamento da infância; a escola para algumas crianças pode trazer a lembrança de uma professora que a desvalorizou na frente da turma; a cama, pode trazer uma lembrança de ouvir os pais brigando a noite; ou ainda, a cadeira de um dentista, que pode relembrar uma dor que sentiu em um outro atendimento. 

Quando vivemos momentos ruins e fazemos a releitura do local, ou seja, se passamos novamente por este lugar, nosso organismo pode associar o local a situação de estresse anteriormente vivida, e por consequência, vir a desencadear um sintoma. 

Atendo muitas crianças que vivenciaram situações de perigo intrauterino, que podem ser desde sensações de perigo de morte, até a perda real de um irmão ou irmã gêmea intraútero (falarei mais sobre isto em um próximo artigo), a não aceitação dos pais perante a gravidez, perigos no parto, ou serem tiradas abruptamente. Isto muitas vezes pode provocar medos a locais. Devido ao ambiente intraútero ser escuro, fechado e cheio de líquido, este ambiente foi o representante do momento de estresse, sendo assim, ambientes escuros, fechados ou com água (principalmente no banho a água cair sobre os olhos, ou mergulhar), acabam sendo ambientes que relembram perigos e isto pode fazer com que um sintoma volte, desde um sintoma físico ou mesmo um medo de permanecer nestes locais e isto pode permanecer até a vida adulta. 

Uma pessoa pode apresentar também dores apenas quando está deitada em sua cama e quando vai dormir em outra cama, ou em um hotel, os sintomas não aparecem, e sinto informar, mas o problema não é o colchão, você pode trocar, mas o sintoma pode retornar. Geralmente isto se traduz a uma situação possivelmente vivida na cama, seja ela uma discussão com o(a) conjugue, até situações de relações sexuais não desejadas. O ambiente pode dar um senso de alerta, para que a pessoa fique alerta caso a situação ocorra novamente, mas quando isto não ocorre, o sintoma pode aparecer como um alívio ao estresse.

Isto pode também ocorrer em um carro, quando algumas pessoas entram e têm medo de dirigir, pois relembram um acidente ocorrido, ou mesmo quando após um tempo de viagem começam a apresentar sintomas dentro do carro, como vômitos, dores no pescoço ou tensões em trapézios, espirros, tosse, dores de cabeça, tudo isto pode ser uma reativação de uma situação vivida neste local. 

Sendo assim, é interessante percebermos os padrões dos locais onde apresentamos determinados sintomas, pois o local pode ser extremamente importante para que possamos identificar a real causa da disfunção. Pois quando identificamos o local podemos relembrar o ocorrido lá, e poderemos reprocessar a situação de uma outra maneira, tirando o peso que o local nos traz. É claro que nos exemplos de situações na gestação, as lembranças se tornam impossíveis, mas com alguns métodos de tratamento isto é possível, e assim podemos nos libertar de nossos sintomas. 

 

Dr. Ivan Bonaldo

Crefito 8/99696-F

Fisioterapeuta Especialista em Microfisioterapia e Nova Medicina Germânica. 

www.ativaterapias.com.br