Thumbnail

Dor no ombro e seu sentido emocional

 

É corriqueiro o aparecimento de pessoas apresentando dor na região dos ombros nos meus atendimentos. Estes pacientes vêm com diferentes alterações nesta região, desde disfunções articulares, ligamentares, musculares, lesões da bursa, ou mesmo alterações em cervical que irradiam dor ao ombro. Como já venho falando há um bom tempo, cada tecido do corpo apresenta uma característica e um detalhe específico relacionado a forma com que a pessoa vive a situação de estresse, mas neste artigo irei abordar uma noção um pouco mais ampla sobre o ombro como um todo. 

O ombro tem em geral um duplo objetivo, que é de trazer alguma pessoa para perto, aproximar, proteger, “colocar embaixo das asas” e a função de afastar, repulsar, impedir uma aproximação, um contato físico ou moral de alguém que a pessoa não suporta. Como a musculatura ante-medial do braço serve mais para trazer algo para o centro do corpo, quando em disfunção, esta tem relação frequentemente a frustrações com o contexto de impotência em proteger, trazer alguém para perto de si, cuidar. E no caso, das lesões na região latero-posterior do ombro, podem estar mais relacionadas a situações de impotência em se defender de um golpe, em afastar alguém que possa me agredir moralmente, ou alguém que não suporto mais. Claro que podem haver outros sentidos, mas geralmente são estes os encontrados mais frequentemente. 

Mas como saber com quem está relacionada esta frustração? Simples, se você já assistiu ao vídeo Ep. 5 - lateralidade cerebral – Teste do aplauso, você irá entender mais fácil, se ainda não assistiu, aproveite ir lá agora neste link: http://bit.ly/IvanBonaldoTesteAplauso , que te espero para contar o resto. 

Ok, então vamos lá. Para os homens e mulheres destros que aplaudem com a mão direita, o ombro oposto a mão do aplauso, ou seja, o esquerdo, tem relação com conflitos com mãe ou filhos em geral. Por exemplo, está relacionado: a sensação de não ser uma boa mãe ou pai, uma impotência em proteger os filhos ou a sua mãe de uma situação de perigo, ou discussão com outras pessoas, onde não pude proteger a minha mãe dos ataques de meu pai, ou onde não pude proteger minha filha e evitar que chorasse, a impotência em cuidar de meu filho perante uma doença grave, ou em caso de uma separação, uma impotência em reter o filho para mim, que ficasse morando comigo. Há também os casos de repulsão a figura de mãe ou filho(a), como no caso de uma mãe ou pai que têm um filho fora de um planejamento, que acabam por ter que aceitar contra a vontade uma gravidez e aquela criança, neste mesmo momento, aquela criança acaba por ter uma repulsão aquela mãe, e desta forma ter dificuldade no relacionamento. Uma questão muitas vezes relevante é que podemos considerar alguma pessoa como se fosse sua mãe ou como se fosse um filho, como uma tia mais velha ou irmã mais velha que ajudou a cuidar de você na infância, ou de um irmão mais novo que você teve de cuidar como um filho, ou mesmo pode haver pessoas que consideram um animal de estimação como se fosse um filho, nestes casos o ombro relacionado a mãe/filhos, pode sofrer disfunção em caso de alguma frustração.

Quanto aos homens e mulheres canhotos, da mesma forma o ombro oposto a mão que aplaude, tem relação a mãe e filhos, ou seja, o ombro direito. E os traumas se darão da mesma forma, quando vivem situações de frustração com filhos ou mãe o ombro direito poderá apresentar dor ou disfunções. 

Agora voltando aos homens e mulheres destros, o ombro direito, tem relação com parceiros de convivência, ou seja, todas as pessoas com exceção de mãe e filhos, na maioria das vezes o primeiro parceiro é o pai, depois irmãos, tios, avós, amigos, colegas, esposo(a), cunhados, sogro(a), assim como alguns conflitos profissionais. Desta forma, quando uma mulher ou homem, vive em um casamento que é conflituoso, no qual ocorrem situações de submissão contínuas, em que não é possível afastar aquele parceiro de perto, o ombro direito pode ser fragilizado, ou quando a pessoa cuidou do pai em seu leito de morte e se sentiu incapaz de evitar aquela morte, pode também provocar uma marca naquele ombro, além de um exemplo clássico de uma mulher recém casada que não pode afastar a presença do sogro ou da sogra em sua casa, que acabam impondo a cultura deles, em um momento em que ela não aceita, mas não pode confrontar, ou afastá-los de perto. 

No caso dos homens e mulheres canhotos, o sintoma seria no ombro esquerdo, mas com os mesmos princípios em geral nas questões de estresse do parágrafo anterior.

Claro que estas situações emocionais não são corretas em todos os casos, pois cada pessoa vive a situação de modo específico e único, desta forma também pode haver situações como a frustração de uma mulher destra ao estar segurando seu marido com o braço esquerdo enquanto ele cai falecido. O ombro esquerdo dela tem relação a mãe e filhos, mas neste momento a impotência que ela viveu foi de não ter conseguido segurar seu marido com este braço. Para toda regra existem algumas exceções, que podem ser verificadas com as perguntas certas. Mas na sua maioria das situações o conflito de lateralidade é um dos primeiros a ser observado em uma avaliação de ombro. 

Ficou clara esta informação, isto te remete a algum acontecimento ou frustração? Entenda que o que passou, já não tem volta, mas podemos nos direcionar de forma diferente daqui por diante, e quando conseguimos, podemos sair da frustração e por consequência melhorar nossas dores. 

 

Dr. Ivan Bonaldo

Crefito 8/99696-F

Fisioterapeuta Especialista em Microfisioterapia, Nova Medicina Germânica e Leitura Biológica 

www.ativaterapias.com.br