Thumbnail

Você é inteiro ou pela metade?

 

Que pergunta estranha esta que eu fiz a você, não é? Mas você já parou para pensar sobre isto? Vou explicar um pouco melhor. Quando você vai realizar suas atividades de vida diária, você está inteiramente presente aquilo que está fazendo? Ou você está agindo no automático, com a cabeça em outro lugar ou no próximo afazer que tem que realizar?

Parece que cada dia que passa as pessoas estão menos inteiramente presentes no que estão realizando por estarem realizando mais de uma tarefa ao mesmo tempo, ou por acharem que algumas coisas não são de total importância, então não focam totalmente naquilo, ou por sofrerem por antecipação, e desta forma, não conseguirem se focar no momento atual pois já estão pensando no próximo passo. 

Se você quer ser um profissional de resultados, o fato de estar distraído no que faz te leva a perder o foco e dificultar a realização de um trabalho ótimo e ficamos na metade do resultado, ou se é um profissional da área da saúde, fica com a metade da melhora que o paciente poderia ter. Estar inteiramente presente, permite a pessoa que está ao seu lado, seja cliente, sócio, fornecedor ou paciente, sentir segurança e confiança em você como profissional, e isto faz total diferença no resultado final. O problema é que muitos estão no trabalho, pensando o que está acontecendo em casa, ou no financeiro, ou num parente que passa por dificuldade e esquece de viver o seu momento. 

Isto também ocorre no âmbito familiar, muitos chegam em casa, mas esquecem de deixar os problemas profissionais no trabalho, e então levam sua frustração, sua tristeza ou raiva, para as pessoas mais próximas e mais queridas, e acabam desta forma não vivendo inteiramente sua família, pois estão pela metade ali. 

Como o desenvolver dos programas de televisão e mídias sociais, foram também estudados por eles, meios de reter a atenção das pessoas que assistem ou seguem determinados meios, desta forma trazem um vício irresistível, o que também colabora para as pessoas não estarem inteiras em casa e no trabalho. Deixamos as vezes nosso momento de lazer, de aproveitar com nossos filhos e esposa/marido, para ficar vidrados nas telinhas ou telonas, o que trava todo e qualquer diálogo, pois não é bem fácil prestar atenção em duas coisas ao mesmo tempo, e desta forma estamos pela metade novamente. E esta sensação de estar pela metade não se deve apenas as mídias, mas a atenção que demos pela metade ao estar lavando roupa e dando atenção, lavando louça e dando atenção, limpando a casa e dando atenção, isto não é estar inteiro. Estar inteiro é estar ali, frente a frente e com a atenção pura e verdadeira a pessoa que amamos. Não estou querendo dizer que nestes momentos de afazeres não é bom dar atenção aos nossos próximos, mas sim que não podemos dar atenção a eles apenas nestes momentos, pois dai sim estaríamos fazendo pela metade, mas deveríamos sim ter um tempinho para podermos promover este tempo integral aos próximos, sem que outras coisas ao redor interfiram na noção atenção e convívio. Não estou aqui também para dizer sobre o tempo que isto deve durar, pois cada pessoa tem suas atividades, mas o tempo que for possível para ti, sendo ele verdadeiro e inteiro já é suficiente. 

As crianças pequenas que precisam da atenção dos pais, dos conselhos, das brincadeiras e principalmente de sentir o amor por inteiro, acabam então sofrendo de um meio abandono, pois se os pais não estão inteiros, é porque não estão ali, e isto faz surgir uma lacuna nestas crianças que pode ser preenchida com coisas que talvez não sejam legais, sejam eles jogos, amigos não idealizados pelos pais, entre outras coisas. 

Falando em estar inteiro, quando foi a última vez que você esteve inteiro para você mesmo? Quando tirou um tempo para você se sentir, aproveitar um momento seu, fazer uma atividade física consigo mesmo? Simplesmente aproveitar a si mesmo? Também não somos inteiros conosco mesmos. Você já parou para pensar nisto? E novamente não digo que preciso todos os dias da semana ter horas para mim, mas talvez aqueles quinze minutos, meia hora a cada dois ou três dias, para olhar para mim mesmo e poder estar consigo em uma meditação, numa caminhada ou em um tempinho olhando para uma paisagem. 

Certa vez ouvi um áudio de um coach que dizia: “A vida é como uma corda bamba, imagine você nesta corda bamba, de um lado está sua casa, sua família, esposa/marido e filhos e do outro lado está seu trabalho, seu emprego, suas atividades profissionais. Se pendemos demais para um lado iremos nos desequilibrar e cair, por isto, temos que ter um equilíbrio para permanecermos de pé”. Temos que ter nosso tempo onde somos inteiros no trabalho, temos que ter nosso tempo que somos inteiros para nossa família, temos que ter nosso tempo para sermos inteiro(a) para nosso(a) conjugue, temos que ter nosso tempo para estarmos inteiros com nossos amigos e conosco mesmo. Quando conseguimos este equilíbrio a vida flui em harmonia, bem estar e saúde. Claro que não é fácil este equilíbrio, mas sempre que alguém pende demais para um lado, a queda em um outro ponto é eminente. 

 

Dr. Ivan Bonaldo

Crefito 8/99696-F

Idealizador do Congresso Internacional das Leis Biológicas

www.leisbiologicas.com