Thumbnail

As 3 principais causas da depressão na vida adulta

Hoje há uma conscientização muito maior sobre os sintomas e as causas da depressão. As pessoas conhecem melhor e buscam mais os tratamentos para evitar que os sintomas tornem-se graves demais. Surgem, a cada dia, formas novas de terapias e procedimentos que buscam eliminar este sintoma que acaba por ser totalmente desagradável a quem vive. 

O Dr. Charles Nemeroff, psiquiatra da Universidade de Emory em Atlanta, nos Estados Unidos da América, trabalhou com pacientes gravemente acometidos pela depressão e através de suas avaliações, constatou que dois terços deles haviam passado por situações traumáticas na primeira infância. 

Atualmente sabemos que a maior parte da causa da depressão vem de processos mal resolvidos emocionalmente, que acabam sendo acumulados e levados ao extremo dos sintomas de tristeza, apatia, descontentamento geral, isolamento, perda de interesse e prazer pela vida, choro em excesso, entre outros sintomas. 

Na pesquisa do Dr. Charles, ele pôde detectar 3 principais provocadores da depressão, entre eles: 

  • Pais que se divorciaram antes da criança completar 15 anos de idade;
  • Pais que usavam drogas;
  • Abuso sexual na infância.

Estes 3 fatores, ficaram impregnados nestes pacientes até sua vida adulta e provavelmente foram despertados por situações que reativaram o processo. Que é o que eu observo frequentemente na vida clínica. 

Quando uma pessoa vive uma situação impactante na infância, seu cérebro guarda aquela informação, com o objetivo de tentar não reviver aquele processo novamente, entretanto, como nossa vida é cheia de situações inesperadas, acabamos por passar por processos parecidos, seja por um perigo de separação com o conjugue, que reativa a lembrança da separação dos pais, ou uma pessoa muito querida que vai embora, ou mesmo a morte de um dos pais, ou ainda, ter que ir morar com um dos pais para cuidá-lo na vida adulta, o que faz reativar diariamente a lembrança do passado. 

Falando do contexto dos pais que usavam drogas, em geral há outras situações que envolvem o processo, seja elas, brigas entre os pais, pais ausentes, pois estavam em busca das drogas, entre outras situações de maus exemplos que poderiam influenciar intensamente a vida daquela criança que deveria ser de responsabilidade deles. 

E quando falamos da questão do abuso sexual, independente se a criança era do sexo masculino ou feminino, pode deixar marcas inimagináveis para aquele futuro jovem e adulto. Se aquela memória não for de total reparação pode interferir diretamente nos relacionamentos conjugais, o que faz com que a mulher ou homem na vida adulta possam ter um distúrbio sexual, com baixa ou alta libido, ocasionando um desequilíbrio nas necessidades sexuais de seu parceiro ou parceira. E quando esta pessoa passa por uma situação de frustração com seu/sua conjugue pode reativar a sensação de não se sentir à vontade com o toque ou aproximação sexual, o que irá reativar o toque indesejado da infância e por consequência, disparar os sintomas da depressão. 

Por estes motivos podemos perceber que a infância deveria ser um momento mágico e feliz para as crianças e não um momento de discórdias, perigos e aflição. E quando estes sentimentos não são possíveis de serem evitados, o mais correto é de estas crianças pudessem passar por um acompanhamento profissional, para que evitem de chegar a um sintoma mais intenso. Ou se esta criança já se tornou um adulto, que este adulto possa também procurar ajuda, e evitar carregar para o resto da vida um sintoma tão incapacitante quanto a depressão.  

Se você quer complementar ainda mais estas informações e seguir para um próximo nível de melhora, leia este artigo complementar http://bit.ly/2nglfTi 

 

Dr. Ivan Bonaldo

Crefito 8/99696-F

Idealizador do Congresso Internacional das Leis Biológicas

http://www.leisbiologicas.com